segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Espirito Santo: Bebê morre atropelado na Serra

A bebê Maria Vitória Borges, de 1 ano e oito meses, foi atropelada enquanto brincava em frente a casa dela, no bairro Cidade Continental, na Serra, na manhã de ontem. A menina foi socorrida, mas morreu no hospital.
Ela estava com o irmão, de 14 anos, e um colega dele, de 16, na Rua Esquimó, no setor América, brincando em frente de casa, por volta das 11h de ontem. Em um momento de distração, a menina se distanciou deles, indo para a frente da residência ao lado. Nesse instante, o vendedor Luís Carlos Scalfoni, 36, estava saindo com o carro - um Corsa - de ré. Ele disse à polícia, que percebeu que tinha passado por cima de algo e parou o veículo.
Quando viu que tinha atropelado Maria Vitória, imediatamente se certificou de que ela estava com vida e a socorreu, no próprio carro, levando-a para o Hospital Dório Silva, na Serra. Mas a criança não resistiu e morreu no hospital.
O vendedor prestou depoimento no DPJ da Serra. Segundo a delegada Cláudia Dematté, ele foi submetido ao teste do bafômetro e o resultado foi zero. “Foi constatado que ele não ingeriu qualquer substância alcoólica e que a velocidade era compatível com a ré. Foi uma fatalidade”, afirma.
O vendedor vai responder a inquérito policial por homicídio culposo - quando não há intenção de matar - mas como prestou socorro imediato pode responder em liberdade.(Amanda Monteiro)
Família está em estado de choque
"Hoje a Vitória acordou fazendo gracinha para mim e pediu para eu tirar uma foto dela no meu celular”, relembrou aos prantos o pai da menina, o serralheiro João Willis Borges, 49.
Ele afirma que estava trabalhando, quando recebeu um telefonema de um vizinho, contando o que aconteceu. “Eu não acreditei no que ouvi, quando cheguei em casa, fiquei paralisado, parece que a minha ficha ainda não caiu. É muito duro, quero a minha menininha de volta”.
Já a mãe da bebê, a dona de casa Sueli Borges, 39 anos, precisou de medicamentos para se acalmar, tamanho o choque. Segundo o marido dela, o velório de Vitória seria na Igreja Batista de Cidade Continental, e Sueli não iria acompanhar.
O tio da criança Fernando Borges, 30 anos, contou que Maria Vitória era o xodó da rua, conhecida por todos os vizinhos. Ele afirma que a via é calma, quase não passa carros, e que as crianças têm costume de brincar no local.
Os vizinhos estavam inconformados com a morte de Vitória. Alguns afirmaram que a bebê cativava a todos por ser muito inteligente para a idade que tinha.

2 comentários:

Beatriz disse...

isso é um mundo de fresco pq como é que pode isso

Ludimila disse...

isso eu acredido